O bilhete

8:50 AM

           Ele havia saído correndo da escola naquele dia, fora o último dia de aula, e daqui pra frente ele não iria encontrar mais ninguém, simplesmente seguir seu caminho sozinho. Mas ao encontrar certo bilhete, o fez mudar de pensamentos, opiniões, objetivos e rumo. Ele conhecia a dona daquela, pequena e simples, letra, e precisava fazer alguma coisa a respeito disso.
       - Onde você está, precisamos conversar?
       - Não importa onde estou, só estou arrumando minha mala e acho melhor não conversarmos.
       - Malas, pra que?
       - Eu vou embora, seguir minha vida, fazer uma faculdade quem sabe.
       - E você iria embora, sem se despedir de mim ¿
       - Eu não gosto de despedidas, você sabe muito bem disso.
       - Espera, antes eu tenho que falar com você. Daqui a minutos eu chego ai.
        Cinco minutos se passaram, e lá estava ele, na porta do quarto, olhando para ela como nunca havia olhado.
      - Eu encontrei isso hoje de manhã. - Tirou o bilhete do bolso e passou os olhos como se tivesse tentando entender alguma coisa entre as entrelinhas.
       - Não era pra você ter lido isso, se estava no lixo, era porque tinha que ficar lá.
       - Então, tudo que está escrito aqui é verdade?
       Ela ficou em silêncio, não sabia o que falar. Se afirmasse poderia sofrer mais do que esta sofrendo, se negasse poderia fazê-lo sofrer e ao mesmo tempo ela também sofreria.
       - Então é verdade. Mas… porque não me falou antes?
        - Por que… eu fiquei com medo. A gente sempre foi muito amigo, você vivia aqui em casa, me ajudava em tudo que eu precisava. Eu sempre te amei mais que um amigo, mas você só me via como sua irmãzinha.
       - Quem disse que eu te via assim?
       - Ninguém, estava escrito nos seus olhos. Eu não precisava de ninguém para decifrar seus olhares.
       - E agora vai ser assim ¿ Você vai embora?
       - Vou recomeçar minha vida. Você foi um ótimo amigo pra mim, e eu nunca vou me esquecer de você, pode ter certeza disso.
        Eles se abraçaram como nunca havia se abraçado antes, nela havia um sentimento de paixão, e nele um sentimento de duvida. Ele estava confuso com o que estava sentindo, mas no fundo sabia que as palavras dela vaziam muito sentido.
       - Mas…
       - Não tem mas, eu ainda vejo em seus olhos, o amor que você sente por mim, mas não confunda,   esse amor não é o mesmo que eu sinto, e se tentássemos algo, iríamos sair machucados.
      - Então é isso, você vai embora, desistir de lutar por um amor, que poderia dar certo.
       - Eu não escolhi desistir, apenas escolhi parar de sofrer. 

You Might Also Like

3 comentários

  1. Respostas
    1. Thanks por comentar e ler de novo . kkkkkkkkk . Tentarei escrever mais desses, bem impactantes . ; )

      Excluir